<$BlogRSDURL$>

29.2.04

Deixei tudo por elas, deixei, deixei... 

Hoje visitei o Museu Dr. Joao Soares, Cortes, Leiria. Vi a vidinha toda do pai do Mario Soares desde a infancia ate a velhice. Comecei pela leitura do assento de baptismo, correspondencias varias, etc. Mas o que me chamou mais a atençao foi o ponto de pedagogia, inserido no conjunto de provas publicas a que teve de se submeter para ser admitido no exercito como capelao militar.

O 1º topico, se bem me lembro, era de desenvolvimento e tinha algo a ver com a formaçao intelectual e civica dos educandos, tendo em vista a sua preparaçao para a cidadania. O teste, como diriamos hoje, despertou-me uma curiosidade enorme, porque eu, como professor, tambem passei pelo mesmo. Foi, pois, com delicia que me detive a ler o manuscrito.

Dizia ele que a inteligencia era uma faculdade que integrava varias forças nomeadamente: a percepçao, a memoria, a atençao, o raciocinio e nao sei que mais. Essa das forças arrancou-me um sorriso imediato. Comprende-se porque, pois o examinando falava mais como fisico do que propriamente como alguem que tinha formaçao teologica. A sua dissertaçao tinha um cunho positivista iniludivel, mas como os conhecimentos cientificos na area da psicofisiologia e afins eram mais que escassos o candidato a capelao nao teve outro remedio senao ficar-se pela retorica e pelo bla-bla da psicologia barata. Que mais podia ele fazer?

Entretanto chegavam-me aos ouvidos comentarios de outros visitantes.

Uma senhora dizia:

- Era um homem bem parecido! Mais bonito que o filho...

Uns momentos depois, a mesma senhora olhando para uma fotografia na parede:

- Eia, foi Governador Civil de Braga!... E que bem lhe ficava a cartola!...

Um homem ao lado tambem ia dizendo de sua justiça:

- Um capelao com mulher e filhos? Mas o que e' isto? Ja' nao estou a perceber nada disto. Um capelao e' padre, nao e'?

Eu sorria para dentro, mas nunca interrompendo o exame dos documentos afixados ao longo das paredes. Recapitulando: Presbitero, capelao militar, professor do Instituto dos Pupilos do Exercito, Governador Civil da Guarda, Governador Civil de Braga, vogal do Conselho Superior de Finanças, Governador Civil de Santarem, deputado pelos circulos de Guimaraes e Leiria.

De repente uma sombra. A ditadura de Sidonio Pais (5-12-1917) vem estragar-lhe a vida tao linda e singela. O ditador corre com ele do Exercito e o desventurado exila-se em Espanha. Durou cerca dum ano o desterro.

Apos o assassinato do ditador no Rossio (14-12-1918) o Dr. Joao Soares e' reintegrado no Exercito e nas suas funçoes docentes. Novos governos, novos cargos. Desta vez a parada e' mais alta: Ministro das Colonias! (1919)

A vida sorria-lhe de novo quando em 28 de Maio de 1926 o general Gomes da Costa desce de Braga a Lisboa para instituir nova ditadura. Mendes Cabeçadas assume interinamente todas as pastas do novo executivo. Nova travessia no deserto, gira o disco e toca o mesmo. Segue-se um auto-corpo de delito por deserçao e outras coisas mais. O homem nao verga. Declara-se adversario irredutivel da ditadura e conspira na clandestinidade contra o novo regime. Seguem-se julgamentos, degredos, prisoes.

Depois de ter passado com o coiro por alguns aljubes e apos reconquistada a liberdade, o nosso heroi decide ganhar juizo. Esta' farto da vida airada e quer assentar.

Dedica-se a docencia com novo animo, mas nunca abandonando de todo a actividade conspirativa. Por esta altura, homem ja' maduro, tinha ja' dois filhos no curriculum: o Tertuliano, fruto duma relaçao que parece nao ter dado certo, e o Mario, fruto duma 2ª relaçao que acabou por vingar.

A vida airada do Dr. Joao causava a mae muitos desgostos e preocupaçoes, nomeadamente as suas mancebias a margem da religiao. Por isso pediu ao filho que requeresse ao Papa a nulidade da sua ordenaçao sacerdotal ou pelo menos que o isentassem do cumprimento das suas obrigaçoes clericais. Ele decidiu fazer a vontade a mae, que na altura contava ja 86 anos. O Santo Padre deferiu-lhe o pedido (1927) e assim o Dr. Joao passou ao estado laico. Em 1935 funda o Colegio Moderno de que se tornou director.


(Nasceu em Arrabal, Leiria, a 17-11-1878, fez o secundario no liceu de Leiria e concluiu o curso Teologico em Coimbra, em 1900, apos o que foi ordenado presbitero. Foi professor, politico e pedagogo. Escreveu Historia Universal em 3 vol. , Portugal nossa Terra, etc. )

Fico por aqui senao as filhas hao-de dizer boa das obras...

Musica de fundo: Deixei tudo por ela, do Ze' Cabra.

Comments: Enviar um comentário

This page is powered by Blogger. Isn't yours?