<$BlogRSDURL$>

20.2.04

Esta aconteceu... 

na Nazaré com o Dr. Laborinho* - um médico obstetra conhecido na localidade pelos seus ímpetos de mau génio. Quando os partos não lhe corriam de feição descarregava toda a sua ira nas pobres parturientes, chamando-lhes todos os nomes. «Ah sua cabra isto, ah sua cabra aquilo... » - era com mimos deste calibre que ele incitava as mulheres a expulsarem o bebé, geralmente com bons resultados.

Um dia foi-lhe parar à marquesa um mulher que se queixava de dores no baixo ventre. O doutor iniciou a palpação ao mesmo tempo que ía perguntando: "Dói-lhe?" Ao que a doente respondia: "Mais para baixo, Sr. Doutor..."

A páginas tantas os dedos clínicos já estavam na "floresta Negra" e a mulher, cada vez mais histérica, a dizer: "Mais abaixo Sr. Doutor, mais abaixo..."

O homem perdeu a paciência e explodiu, gritando-lhe:

- Vá-se embora, mulher! O que você precisa é dum quarto escuro e de um homem que mexa bem!...


* O Dr. Laborinho, já falecido, era, segundo me parece, tio do Dr. Laborinho Lúcio que foi ministro da Justiça num dos governos de Mário Soares.



Quando as iludências aparudem...

Uma senhora da alta estava sentada num banco de jardim quando de súbito desata aos gritos, deitando-se no banco de pernas para o ar, numa agitação despudorada e implorando em altos berros:

- Chamem o meu marido que está no quartel, é o major fulano tal.

Os homens presentes telefonaram para o quartel, chamaram um táxi e levaram a senhora a casa como bons cavalheiros.

Pouco depois chegava o marido todo aflito e também o médico militar. Este, já ao corrente da situação, manda a criada para a cozinha aquecer água e, quanto ao marido, despacha-o para a farmácia a comprar um inofensivo calmante.

Uma vez a sós com a doente pega-lhe numa das suas mãos e diz-lhe com o ar mais ríspido que conseguiu arranjar:

- Oh seu estafermo, sua fiteira, que anda a desgraçar mais a vida deste seu desgraçado marido, com a mira estúpida e egoísta de o chegar a si, pois sabe muito bem que quando você está doente - e eu sou testemunha disso - ele perde completamente o controlo, Mas olhe que a corda rebenta, se você a estica demasiado..."

- Você tem toda a razão. Eu sou uma fiteira indecente. Mas olhe que a dor de cabeça que tenho é horrível."

Tinha carradas de razão a senhora. Uma angiografia à sua cabeça viria a revelar um extenso tumor vascular cerebral. A doente foi operada e tudo acabou em bem,.

Mas o insulto médico é que já niguém lho tira. Terá de carregar com ele até à cova...

Nota: O médico militar de que fala esta história real trata-se do Coronel António Moreira de Figueiredo que escreveu um livrinho de memórias que é um primor: "Cão que ladra também morde".


Se o Dr. Barra da Costa...

vier a pôr os olhos na minha lição de selenografia às fillhas manda-me prender... :-)


P.S. Aproveito para dizer que gostei muito de "conversar" com a Mar no pt.conversa. Mas houve quem não visse com bons olhos o nosso bate-papo. Quanto a isso eu sorrio de forma complacente e compreensiva. Houve uma vez alguém que comparou tais sujeitos a cães numa manjedoura: não comem nem deixam comer. :-)

Comments: Enviar um comentário

This page is powered by Blogger. Isn't yours?