<$BlogRSDURL$>

29.3.04

Serro Ventoso 

Depois de ter visitado aldeias perdidas, onde ainda permanecem reminiscencias dum ruralismo antigo, decidi ir ao Serro Ventoso. Paisagem agreste, arvores queimadas, eminencias calcarias, um pequeno vale, um bode com o seu pequeno harem de cabras e mais acima uma povoaçaozita de casas terreas sem vivalma. No ceu azul um milhafre em voo planado, com os olhos tensos de gula, 'a procura de presa.

Estaciono o carro 'a beira da estrada e decido subir ao monte onde se recortam sob o sol poente as silhuetas de tres moinhos de vento com os seus enormes falos enegrecidos, a fazer lembrar canhoes de batalhas perdidas. Subo por uma vereda pedregosa ladeada aqui e ali por uma ou outra flor silvestre. Nao tardo a chegar ao cume. Aproveito para explorar os moinhos um a um ao longo da crista montanhosa. Avisto mos ao abandono, troncos musgosos e carcomidos pelo tempo onde crescem minusculas plantas 'a revelia da civilizaçao e dos olhares indiscretos.

'A volta dum dos engenhos, onde outrora sob o impulso dos ventos velas de linho rasgaram o ceu em poetico rodopio, descubro o que resta da cabana do moleiro. Um tugurio selvagem cosido a uma enorme fraga por cujas fissuras emerge o azinho ou la' o que e' aquilo. No interior, a ceu aberto, vejo a boca dum forno e os vestigios duma lareira. Era ali naquele antro do fim do mundo que o moleiro descansava das fadigas da moiçao.

Sopra uma leve brisa muito agradavel. Espraio o olhar em redor e sinto-me como se estivesse num sumptuoso trono. La do alto avistam-se serros, cumeadas, vales, aldeolas e la' mais ao longe o casario de Porto de Mos com o seu castelo.

O Sol declina sobre a montanha, e' tempo de regressar 'a civilizaçao. Ao contornar o ultimo moinho, num especie de adeus, eis que se me depara uma garrafa de rotulo intacto onde figurava um violino e a palavra "Amadeo". Leio a letra miuda e verifico tratar-se dum vinho italiano de tipo espumoso.

Desço a encosta e pouco depois estava na estrada. Antes de me ir embora ainda aproveito para ir cheirar um poço cujo entrada parecia uma anta. Com o auxilio duma corda retiro das profundezas um balde cheio de agua. Nao que tivesse sede, foi so' por pura diversao. Com a alma mais aquietada o Nimbus McBride avança rumo 'a planicie...

Comments: Enviar um comentário

This page is powered by Blogger. Isn't yours?