<$BlogRSDURL$>

20.2.04

In search of Schrödinger's cat... 



O Betinho no dia do seu "baptizado"

Once upon a time a little cat called Betinho. It was a serial-killer of mice, but one day it mounted a horse and rode away...

Era o meu gato de estimação.

Esta aconteceu... 

na Nazaré com o Dr. Laborinho* - um médico obstetra conhecido na localidade pelos seus ímpetos de mau génio. Quando os partos não lhe corriam de feição descarregava toda a sua ira nas pobres parturientes, chamando-lhes todos os nomes. «Ah sua cabra isto, ah sua cabra aquilo... » - era com mimos deste calibre que ele incitava as mulheres a expulsarem o bebé, geralmente com bons resultados.

Um dia foi-lhe parar à marquesa um mulher que se queixava de dores no baixo ventre. O doutor iniciou a palpação ao mesmo tempo que ía perguntando: "Dói-lhe?" Ao que a doente respondia: "Mais para baixo, Sr. Doutor..."

A páginas tantas os dedos clínicos já estavam na "floresta Negra" e a mulher, cada vez mais histérica, a dizer: "Mais abaixo Sr. Doutor, mais abaixo..."

O homem perdeu a paciência e explodiu, gritando-lhe:

- Vá-se embora, mulher! O que você precisa é dum quarto escuro e de um homem que mexa bem!...


* O Dr. Laborinho, já falecido, era, segundo me parece, tio do Dr. Laborinho Lúcio que foi ministro da Justiça num dos governos de Mário Soares.



Quando as iludências aparudem...

Uma senhora da alta estava sentada num banco de jardim quando de súbito desata aos gritos, deitando-se no banco de pernas para o ar, numa agitação despudorada e implorando em altos berros:

- Chamem o meu marido que está no quartel, é o major fulano tal.

Os homens presentes telefonaram para o quartel, chamaram um táxi e levaram a senhora a casa como bons cavalheiros.

Pouco depois chegava o marido todo aflito e também o médico militar. Este, já ao corrente da situação, manda a criada para a cozinha aquecer água e, quanto ao marido, despacha-o para a farmácia a comprar um inofensivo calmante.

Uma vez a sós com a doente pega-lhe numa das suas mãos e diz-lhe com o ar mais ríspido que conseguiu arranjar:

- Oh seu estafermo, sua fiteira, que anda a desgraçar mais a vida deste seu desgraçado marido, com a mira estúpida e egoísta de o chegar a si, pois sabe muito bem que quando você está doente - e eu sou testemunha disso - ele perde completamente o controlo, Mas olhe que a corda rebenta, se você a estica demasiado..."

- Você tem toda a razão. Eu sou uma fiteira indecente. Mas olhe que a dor de cabeça que tenho é horrível."

Tinha carradas de razão a senhora. Uma angiografia à sua cabeça viria a revelar um extenso tumor vascular cerebral. A doente foi operada e tudo acabou em bem,.

Mas o insulto médico é que já niguém lho tira. Terá de carregar com ele até à cova...

Nota: O médico militar de que fala esta história real trata-se do Coronel António Moreira de Figueiredo que escreveu um livrinho de memórias que é um primor: "Cão que ladra também morde".


Se o Dr. Barra da Costa...

vier a pôr os olhos na minha lição de selenografia às fillhas manda-me prender... :-)


P.S. Aproveito para dizer que gostei muito de "conversar" com a Mar no pt.conversa. Mas houve quem não visse com bons olhos o nosso bate-papo. Quanto a isso eu sorrio de forma complacente e compreensiva. Houve uma vez alguém que comparou tais sujeitos a cães numa manjedoura: não comem nem deixam comer. :-)

Perguntaram um dia a... 

Heisenberg o que era um átomo em termos visuais.

- Não sei - respondeu o cientista -, as equações é que sabem...

Ora se as equações é que sabem então o que é que significa E = m c^2 ?

Significa que Einstein = marado dos cornos ao quadrado :-)


Um marmanjo qualquer...

violou em Coimbra 12 universitárias. É obra! Com este lindo curriculum vamos lá ver os anos de cana que o Meritíssimo lhe vai dar. Dizem que à dúzia sai mais barato. Espero bem que não saia...


Hoje...

visitei a Bomba Inteligente e... que grande carraspana, Jesus Maria!... Não dizia coisa com coisa, nem nada...


Li algures...

que o Hitler só tinha um testículo. Ora se com uma bolinha o gajo fez tremer o Mundo, fará se tivesse duas...
Era o Apocalipse Now, está bom de ver.

18.2.04

Receita para fazer um herói 

Tome-se um herói
Feito de nada como nós
E em tamanho natural
Embeba-se-lhe a carne
Lentamente
Duma certeza aguda irracional
Intensa como o ódio
Ou como a fome
Depois perto do fim
Agite-se um pendão
E toque-se um clarim

E serve-se morto.

Edgar Reinaldo*


* Morreu em Moçambique com a idade de 27 anos. Era filho de Reinaldo Ferreira, mais conhecido como «Repórter X».

Thank you very much boys from the pt.science 

Graças a vocês a notificação do erro que afecta a integral de 1/(x^4 + a^4)dx correu mundo e chegou a quem de direito. O meu radar detectou mensagens vindas de várias partes dos EUA e até da Rússia...

Há cerca de 10 anos alertei para o referido erro o Presidente do Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra. Nem sequer se dignou responder à minha missiva. Foi alguém do meu entourage, que se encontrava na altura no IST a concluir um mestrado em Física de plasmas, que coube o papel de alertar a McGraw-Hill, Inc., em New York, para a minha correcção.

O editor norte-americano não perdeu tempo e pouco depois a 31th printing, 1993 do Mathematical Handbook of Formulas and Tables (Schaum's Outline series) estava disponível ad usum americanorum...

Foi um exemplar da 31th que me foi oferecido.

Nós por cá continuamos a gramar as velhas tabelas com os seus gatos. Vamos lá ver até quando...


Dignidade de virgens ofendidas 

Setembro de 1939, Estação de S. Bento, Porto.

Um grupo de médicos, todos ufanos nos seus uniformes de sous-liutenant comme il faut preparavam-se para entrar para o comboio que devia conduzi-los a Coimbra, a fim de se apresentarem na 1ª. Companhia de Saúde onde deviam receber 30 dias de instrução.

Nisto aparece um soldado quase a deitar os bofes pela boca que lhes pergunta:

- Vomecês são os que vão prá tropa de Coimbra?

- "Semos, semos..." - responde um dos médicos com desdém, como se fosse uma afronta pessoal estar a falar em público com um pobre diabo de tão baixo estatuto.

- Atão vomecês já não bão...

- Quem deu essa ordem?

. Foi o cartel giniral - respondeu prontamente o soldado.

" E foi assim, bobamente e sob a ordem boçal dum simplório galucho, mas naquele momento representativo do exército português, que terminou a convocação feita ... por sua Exª. o senhor Secretário do Ministério da Guerra..." - escreve o Dr. Henrique Almeida, nas suas "Memórias ao léu", um dos uniformizados janotas que não levou a bem que lhe enviassem um básico como mensageiro.

Se calhar queria que lhe enviassem um giniral...

Quem ler o seu livro - admiravelmente bem escrito - ninguém o leva preso. Médico dos proletários, antifascista, etc. e tal, o homem chegou a captar a minha simpatia enquanto lia as suas 490 páginas de memórias. Contudo, ao comentar do modo como comenta o episódio acima, verifiquei que a sua imagem de homem de esquerda e amigo dos pobrezinhos não passava de mera fachada. No fundo da alma era exactamente igual àqueles que politicamente atacava.

Só um homem com o espírito de casta enraizado nas entranhas pode considerar desonroso que um pobre diabo seja seu interlocutor em público. Ele próprio já se esquecera que era flho dum boletineiro que, nas horas vagas, aviava copos de meio quartilho numa taberna.

Também Marcello Caetano se sentiu melindrado por ter um simples sargento a escoltá-lo no avião que o levaria ao Funchal. Mas este, pertencendo ao ancien regime ainda tem desculpa...


Se um dia entrardes na cripta do Panthéon, em Paris, onde se encontram os túmulos dos "philosophes" que inspiraram a Revolução Francesa, não vos esqueceis de lhes fazer uma vénia por mim, filhas. Foram homens como Rousseau, Voltaire, Diderot, Montesquieu, etc. que contribuíram para que hoje vivamos numa sociedade socialmente mais justa, apesar do espírito de casta continuar por aí à solta mesmo em muitos "filhos de taberneiro".

17.2.04

Estava posto em sossego...

no meu gabinete de trabalho quando ouço o barulho de algo no acesso à garagem. Curioso levanto-me e vou ao terraço ver o que se passa. Avisto um carro e dois sujeitos que se identificam como pertencendo a uma empresa de telecomunicações. Olhando para a torre que domina a residência um deles pergunta:

- O que é isto?

- Um observatório astronómico - respondo.

- É do Estado?

..........................

Porque é que será que tanta gente já me fez a mesma pergunta? Será porque exegi monumentum aere perennius?

16.2.04

Adivinha ó Cristo.... 

Tenho na minha biblioteca dois grossos volumes de Psicologia Judiciária. Num deles vem o retrato psicológico dos autores de cartas anónimas. Como era de prever o autor não os poupa nem um bocadinho, pintando-os com as cores mais negras possíveis.

Devo dizer que concordo 100% com o Prof. Enrico Altavilla, o autor da obra. Como ele penso que é um acto de inqualificável cobardia escrever uma carta anónima com o intuito de afundar alguém. Lembra-me aqueles filhos da puta que às ocultas esbofotearam Jesus, dizendo: Adivinha ó Cristo, quem é que te bateu?

S. Mateus, no seu evangelho, retrata a cena deste modo:

Tunc exspuerunt in faciem eius et colaphis eum ceciderunt, alii autem palmas in faciem eius dederunt dicentes: Prophetiza nobis, Christe, quis est qui te percussit?

Cuspiram-lhe depois no rosto e deram-lhe socos. Outros esbofetearam-no, dizendo: «Adivinha ó Cristo, quem foi que te bateu?»


Em Stalingrado, onde se cometeram as piores atrocidades, um alemão gritou para os russos que vinham para matá-lo:

- Ia sviecht chennik, Khristos voskress va vainnie !

"Sou o sacerdote; Cristo ressuscitou nesta guerra !"

Bela frase, filhas. Na verdade o capelão tinha toda a razão para falar assim. Como ele acho que Cristo ressuscita diariamente em todos os que são escarnecidos e espezinhados, nos que têm fome e sede de justiça, nos que sofrem e choram por culpa alheia.


P.S. Se não me acautelo ainda acabo por bater o Abrupto e a Bomba Inteligente em linguado :-) . O inglês, o francês, o latim e o russo já cá cantam. Falta o italiano, o alemão e o grego. Lá chegaremos... lá chegaremos...

15.2.04

Apontai se quiserdes... 

Se pensam que só a Table of Integrals, Series and Products é que erra de forma indecente a integral de 1/ (x^4 + a^4)dx desenganem-se. Também o Mathematical Handbook of Formulas and Tables de Murray R. Spiegel e o Manual de Matemática para Engenheiros e Estudantes de I. Bronstein e K. Semendiaev repetem a mesma falha.


Os erros não se limitam à integral mencionada visto que todas as integrais de funções tendo como denominador o polinómio x^4 + a^4 comem por tabela. Portanto a extensão do erro é maior do que se poderia supor à primeira vista. O estranho de toda esta história é que todas as tabelas que eu conheço dão o mesmo resultado falso.

Eu, não só fiz a dedução correcta da primitiva da função dada, como também descobri a razão porque as tabelas matemáticas falham. Neste momento, tanto quanto sei, apenas o 31th printing, 1993 do Mathematical Handbook of Formulas and Tables de Murray R. Spiegel contém as integrais rectificadas.

Foi um exemplar da 31ª. edição do Mathematical Handbook que me foi oferecido e não o Table of Integrals... "pictured" mais abaixo. Deste último livro ainda não saíu nenhuma edição corrigida.

Também...


a FÍSICA de Alonso & Finn não se lava em água de rosas.

Só para dar um exemplo vou citar o problema 13.57 da edição de 1972 (Editora Edgard Blücher Ltda)

Um cometa de massa m é observado a uma distância de 10^11 m do Sol, movendo-se, em direcção ao mesmo, com uma velocidade de 5,16 x 10^4 m.s^-1 , formando um ângulo de 45º com o raio vetor dirigido a partir do Sol. Obtenha em relação ao cometa.

b) a equação da órbita


A resposta que é dada no livro não tem ponta por onde se lhe pegue. Também corrigi o erro mas desta vez não me dei ao trabalho de alertar a editora.

Dizem que... 

a net vai ser policiada pela Judite, que as operadoras vão ser obrigadas a fornecer todos os elementos que possam levar à identificação e localização dos utilizadores, em caso de suspeita de crime ou acto ilícito. Acho bem. È tempo das pessoas terem tento na língua e serem responsabilizadas pelos actos que cometem.

A internet é actualmente um extenso lago de águas turvas onde navega gente do piorio e sem escrúpulos alguns. É tranquilizador saber que essa cáfila pode vir a ser apanhada e levada à barra dos tribunais.

Liberdade sim, mas com responsabilidade.


Ontem à tarde...

a minha mulher entrou-me gabinete adentro trazendo algo escondido entre as palmas das mãos. Por uns momentos deixei o teclado em paz e fiquei em atitude expectante. Qual não é o meu espanto quando inesperadamente me põe na palma da minha mão direita um... pintainho recém-nascido !...

Era amarelinho e de uma graciosidade cativante. Tão pequenino, tão indefeso, tão frágil... Como me sensibilizou vê-lo a pipilar na palma da minha mão ! Bem podem os americanos mandar robôs para Marte ou para outros sítios quaisquer que não há nada neste mundo que me cause mais espanto que o milagre da vida.


O feitiço contra o feiticeiro

No tempo da outra senhora abusava-se um bocado dos castigos corporais nas escolas. A régua era o terror da criançada. Raul Brandão retrata magistralmente esses tempos nas suas Memórias. O que eu me ri quando ele alude ao Dantas a ensinar latim aos sacripantas da Rua da Sovela em bramidos que se ouviam no Bolhão...

Ainda bem que esses métodos já passaram um pouco à história. O que é que se ganhou? Bom, ganhou-se mais à vontade, o professor deixou de ser o papão que levava os mais timoratos a diureses embaraçantes, etc. e tal.

O que é que se perdeu? Bom, perdeu-se a qualidade de ensino e o respeito pelos professores. Na minha opinião os meninos saem actualmente das escolas a saber menos. A velha tabuada foi-se, a ortografia está nas ruas da amargura. Basta ler o teletexto da tv. São erros que até ferve !...

Mas o pior de tudo não é isto. O pior de tudo é a indisciplina e a má educação que leva petizes de palmo e meio a agredirem os professores e educadores - como acontece actualmente na Casa Pia e noutras escolas mais problemáticas do país. No caso da Casa Pia acho que em vez da Catalina Pestana devíamos pôr lá um Dantas cujos bramidos pusesse os putos nos eixos. Aquilo já não vai lá com paninhos quentes. É preciso ordem e disciplina. Será que os sacripantas entendem isso?

A docência, nos tempos que correm, é uma profisão de alto risco. Perguntem aos psiquiatras.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?