<$BlogRSDURL$>

15.4.05

Ein volk... 

Pela Páscoa peguei na autocaravana e fui até ao Algarve. O parque de campismo estava esmagadoramente ocupado por autocaravanas de matrícula DE. Com alguma sorte lá consegui arranjar um espaço na zona mais outdoor, tendo por vizinhos os pinheiros e os alemães.

A breve trecho estava recostado numa cadeira de praia a ler como um lorde. Rente à rede da vedação, onde me encontrava, passava um caminho de terra batida que um pouco mais adiante se sumia no pinhal em direcção ao norte.

Naqueles dias estava apostado em ler um volumoso cartapácio sobre o liberalismo em Portugal, mas acontece que de vez em quando a minha leitura era perturbada pelo suave trote de esbeltas moças alemãs que ali passavam de amiúde num tirocínio atlético anunciador de maratona próxima. Eram moças, loiras umas, de cabelo platinado, outras, mas todas tão bem feitas de corpo e com uma pele tão branca e delicada que pareciam deusas descidas do Olimpo.

Pensei para comigo e para com Deus: "Se este delicioso trote continua adeus Maria da Fonte!" Era na verdade uma carga de trabalhos retomar a leitura depois de cada passagem das nórdicas deusas, seguir os desenvolvimentos da Revolução de 1820 ou os sucessos subsequentes à outorga da Carta Constitucional - para já não falar das peripécias decorrentes das lutas entre cabralistas e patuleias, etc., etc.

Em determinado momento a minha "patroa" chama-me a atenção para o facto algo insólito de estarmos ali sozinhos entre estrangeiros sem termos um português com quem falar.

- Não há problema! – retruquei. – E elevando a voz uma oitava, julgando que ninguém me ouvia, fiz ressoar em redor um «EIN VOLK, EIN REICH, EIN FÜHRER!»

Que raio disseste tu! Acto contínuo detecto um par de olhos verdes a fixarem-me num misto de grande estranheza e perplexidade. Era a vizinha do lado – uma jovem alemã de olhos penetrantes que, por detrás duma “trincheira” de nylon, me trespassava com os seus olhos inquiridores e cheios de mistério…

Em que pensaria ela? Certamente que eu era algum discípulo do Adolfo...

This page is powered by Blogger. Isn't yours?